Propósitos ou Despropósitos?
Luiz Fernando Reginato

Luiz Fernando Reginato

Consultor e Conselheiro, Economista e Mestre em Sociologia

Propósitos ou Despropósitos?

Clientes frustrados com produtos, serviços ou promessas, costumam reclamar, criticar e punir as empresas infratoras com o abandono ou danos à imagem da marca. Nada de novo, apenas comportamentos convencionais de clientes exercendo sua autonomia e barganha como consumidores.

Mas, como explicar o comportamento de milhares de profissionais protestando contra suas próprias organizações, em desacordo com a ética duvidosa de suas práticas? E não se trata de questões trabalhistas: a indignação mira a falta de lisura das políticas ambientais e comerciais, incluindo protecionismos a executivos denunciados por assédio sexual. O fato mais surpreendente são os autores da façanha. São jovens da geração Y, ou millennials – considerados recursos estratégicos para a inovação – contra empresas gigantes da tecnologia como Amazon, Google e Salesforce, para onde foram atraídos pela crença na fidelidade de propósitos de “fazer um mundo melhor”.

Não é de hoje que as pessoas estão em busca de propósitos. Nos últimos 200 anos, na literatura de 11 países pesquisados, a expressão “um propósito para a vida” foi a mais recorrente, segundo Gabriel Grant, da Universidade de Yale. A comprovação da força dos propósitos abalou até a clássica hierarquia das necessidades de Maslow, pelo estudo do psiquiatra austríaco Viktor Frankl, ao comprovar que as pessoas estabelecem seus motivos de realização já na base da pirâmide e não no seu topo.

Essa revolução nas motivações humanas nos ajuda a entender o comportamento dos manifestantes que, ao buscarem significado maior para sua existência, dignificam seu tempo, seu trabalho, seus relacionamentos e sua própria maneira de viver. Um misto de hedonismo com altruísmo – de querer viver intensamente e de fazer a diferença no mundo- caracteriza essa geração. Assim, não mais distinguem vida e trabalho e, tampouco, ser profissional, consumidor ou cidadão. Daí sua postura de exigir maior transparência e respeito.

E é bom as organizações irem se acostumando com isso: qualquer dissintonia entre o discurso e a prática transforma os propósitos em despropósitos e o encantamento se desfaz. Propósitos fortes são sustentados pela integridade de quem os representa. Dessa busca por honestidade e autenticidade, como prega Joey Reiman em seu livro “Propósitos”, não escapam governos, instituições nem empresas.

Permanece o histórico dilema empresarial: como equilibrar a busca do lucro e da sobrevivência com políticas éticas e sociais voltadas para a humanidade? Reflexões e proposições que faço em meu livro Ideias & Ideais para a Excelência e Integridade, ao colocar a ética, governança, talentos, liderança e clientes numa mesma perspectiva.

Apesar de vivermos numa ciranda do consumo e num mundo de consumidores, prefiro acreditar na evolução moral da sociedade e no relevante papel das organizações, convicto de que o mercado é apenas uma função da sociedade e, como tal, pode ser orientado por interesses mais nobres.

Um belo desafio para a governança corporativa!

Economista, sociólogo e consultor em Governança

Vamos falar mais sobre isso?

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email